BIG Festival 2017 – Games em projetos educacionais

GAMES E EDUCAÇÃO: OI FUTURO, GOETHE INSTITUT E ESCOLA DA VILA

O BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival) aconteceu entre 24/06 e 02/07 em São Paulo e reuniu a comunidade gamer em rodadas de debates, negócios e premiações.

Uma das seções mais interessantes do evento foi a BIG Impact com palestras focando no impacto social, ambiental e cultural dos games. Os temas abordados foram desde jogos como ferramenta de educação  até como a indústria de games pode melhorar a vida nas cidades e apoiar a diversidade.

Palestra “BIG Impact – Experiências de aprendizagem baseada em jogos – Casos práticos”. Foto: Isaac Trabuco/Plexo Arts.

Assisti ao painel “BIG Impact – Experiências de aprendizagem baseada em jogos – Casos práticos”. A conversa foi mediada por Jean Tomceac do Coletivo Jogo Limpo. Foram três participantes:

Renata Akemi, da Escola da Vila, mostrou como a programação pode ser ensinada a crianças antes mesmo do ensino fundamental, usando Scratch Jr. Estes alunos, mesmo não alfabetizados, podem criar seus jogos e apresentar o projeto a outras turmas. Renata mostrou também que alunos de turmas mais avançadas criaram um projeto que extrapola os computadores e celulares. Colegas de outras turmas tinham de “caçar” um tesouro e as informações para chegar até ele estavam escondidas em QR codes espalhados por toda a escola. Também foi mencionado o MIT App Adventure como recurso para ensinar programação.

O palestrante seguinte, Luiz Francisco atua como educador na escola do Projeto Nave – Oi Futuro em Recife/PE. Ele mostrou como a programação entrou no currículo da Escola para apoiar o trabalho do professor, e não sobrecarregá-lo. Basicamente, fica óbvio que o projeto com games deve ser pensado considerando as atividades e grades atuais dos alunos e professores, pois ambos podem já estar com a agenda apertada. Outro ponto: estimular as meninas a atuarem mais com programação, pois elas ainda sentem, com razão, que a área de desenvolvimento de games é para os garotos.

Por fim, o Goethe Institut enviou um especialista para contar como estão investindo em aplicativos para aprender alemão. São jogos gratuitos que você pode baixar para jogar no celular. Literatour, por exemplo, explora narrativas de clássicos da literatura. Consulte também o Heiße Kartoffel outros games para aprender alemão.

Além das palestras do BIG Impact, o BIG Festival 2017 também ofereceu prêmio em dinheiro para o vencedor do Troféu BIG 2017 na categoria “Melhor Jogo Educacional ou de Impacto Social”. E o vencedor foi  Orwell (Osmotic Studios), da Alemanha. Confira quais foram os concorrentes e a lista de todas as categorias/vencedores do Troféu BIG 2017.

PITCHING NIGHT NO GOOGLE CAMPUS

A pitching night foi organizada em parceria com a Swissnex e a The Hive Brasil. Selecionados para o evento deveriam apresentar o seus jogos em 3 minutos com slides que trocavam automaticamente a cada 20 segundos. O formato de apresentação é baseado no estilo Pecha Kucha.

Interessante a escolha de participantes da ETEC Pirituba, uma escola técnica pública localizada na periferia de São Paulo. Grande parte dos participantes eram suíços e as apresentações, mesmo de alguns brasileiros, eram feitas em inglês. (Fotos por Isaac Trabuco/Plexo Arts)

ÁREA DE EXPOSIÇÃO – CENTRO CULTURAL SÃO PAULO

As atividades do Festival BIG estavam concentradas no Centro Cultural São Paulo. Veja a seguir algumas cenas registradas no local. (Fotos por Isaac Trabuco/Plexo Arts)

 

Missão: Berrini

Placa da Berrini com o novo padrãoCórrego sob a Berrini

Paralela à Marginal Pinheiros, construída sobre um pântano, o antigo dreno do Brooklin. Em menos de uma década a Avenida Berrini transforma a região em um grande centro empresarial.

Um bom lugar!

O mais novo cartão postal de São Paulo, a tal Ponte Estaiada, erguido no final da Berrini e nas proximidades da nova sede da Tv Globo, reforça a ideia da região como símbolo do progresso paulistano.

Adeus, favelas. As pessoas entendem, São Paulo precisa de centros financeiros consolidados.  Avenida Água Espraiada vira Avenida Roberto Marinho. E nem uma viela com o nome de Sabotage, o maestro da favela do Canão.

A ponte símbolo do progressoA escalada continua

Thousand of offices

Uma disputa entre a Avenida Paulista e Berrini pelo título de top de São Paulo? Bullshit!

Desde o início de sua escalada, a Berrini é corporativa, respira trabalho.  Difícil encontrar ali um centro cultural, uma balada alternativa, teatros.

Até artistas de rua, tão comum em outros pontos movimentados da cidade, não se vê por aqui.

Fora da caixa

Executivos, funcionários, profissionais liberais. É possível furar a rotina. Estratégias de marketing, linguagem de programação,  arquitetura da informação e manobras financeiras podem ser aplicadas também além dos escritórios, nas ruas da fria Berrini.

Galeria fria dos officesJardineiro, música no fone de ouvido, manhã
Publicado originalmente em 17 de abril de 2010

 

41º Festival Sesc de Melhores Filmes – Lista dos vencedores

Pesquisando na web, não pude encontrar a lista com os vencedores da edição 2015 do Festival Sesc de Melhores Filmes. Nem no site oficial encontrei esta lista.

Fui ao Cinesesc para ver o chileno Glória (muito bom!) e consegui este catálogo com o carinha da bilheteria:

Catálogo Festival Sesc

Esse catálogo informa a lista de vencedores:


VENCEDORES CRÍTICA

NACIONAIS ESTRANGEIROS
Filme
O Lobo atrás da PortaDocumentário
Sem Pena

Direção
Fernando Coimbra
O Lobo Atrás da Porta

Ator
Guilherme Lobo
Hoje eu Quero Voltar Sozinho

Atriz
Leandra Leal
O Lobo Atrás da Porta

Roteiro
Fernando Coimbra
O Lobo Atrás da Porta

Fotografia
Ali Olcay Göscaya
Praia do Futuro

Filme
Boyhood – Da infância à JuventudeDireção
Richard Linklater
Boyhood – Da infância à Juventude

Ator
Jake Gyllenhaal
O Abutre

Atriz
Marion Cottillard
Era uma vez em Nova York

 VENCEDORES PÚBLICO

NACIONAIS ESTRANGEIROS
Filme
Hoje eu Quero Voltar SozinhoDocumentário
Ilegal

Direção
Daniel Ribeiro
Hoje eu Quero Voltar Sozinho

Ator
Babu Santana
Tim Maia

Atriz
Leandra Leal
O Lobo Atrás da Porta

Roteiro
Daniel Ribeiro
Hoje eu Quero Voltar Sozinho

Fotografia
Ali Olcay Göscaya
Praia do Futuro

Filme
12 Anos de EscravidãoDireção
Richard Linklater
Boyhood – Da infância à Juventude

Ator
Joaquin Phoenix
Ela

Atriz
Angelina Jolie
Malévola

Interatividade na TV Digital

Em abril deste ano, postei um resumo explicando como assitir programas da TV aberta em alta definição. Demonstrei também que já é possível interagir com as emissoras pelo controle remoto da TV LCD que você comprou.

Volto agora ao tema Tv Digital para abordar um pouco mais o ponto fraco da TV Digital aberta: a interatividade e as promessas de inclusão digital pela TV.

TV Digital aberta com Ginga

  • No Sistema Brasileiro de TV Digital, a interatividade é possível através do sistema Ginga.
  • As emissoras enviam suas aplicações interativas diretamente para a casa do usuário. Estas informações ficam armazenadas temporariamente no televisor. Para isto, a recepção deve ser realizada com uma antena UHF.
  • O usuário é avisado quando há possibilidade de interação através de ícones que as emissoras exibem na tela. O usuário interage então pressionando teclas do controle remoto.
  • As aplicações mais comuns hoje funcionam de forma semelhante ao menu de extras de um DVD: o usuário acessa informações adicionais de um programa (ex.: elenco de uma novela ou tabela de um campeonato). Nestes casos, as informações acessadas estão armazenadas no televisor.
  • Interações mais complexas necessitam que o usuário vá além das informações armazenadas no televisor. TVs conectadas à internet permitem que o usuário acesse bancos de dados maiores.
  • Em uma Tv com Ginga conectada à internet, ao invés de apenas acessar as informações que a emissora enviou para o seu televisor, o usuário pode solicitar novas aplicações e enviar informações (ex.: dados cadastrais, senhas de banco, respostas à questionários, etc).
  • Aplicações assim, com canal de retorno, ainda são minoria no Ginga e na maior parte não passam de enquetes. Porém, especialistas reconhecem seu potencial para inclusão digital.
  • No Brasil, pessoas das classes D e E raramente possuem acesso a um computador. Por outro lado, a TV está presente em quase 100% dos lares. Aplicações do Governo (agendamento de consultas pelo SUS, consulta a extratos da Previdência) ou educacionais são possíveis em qualquer TV de tubo acoplada a um conversor com Ginga (que custa em torno de R$ 250,00).
  • O ponto delicado seria o canal de retorno: como conectar esta TV à Internet? Com o Programa Nacional de Banda Larga em impantação, este pode não ser mais um grande obstáculo.

Exemplo de interação com Ginga

  • Fotografias da tela do televisor durante exibição dos Jogos Panamericanos de Guadalajara, na Record:

  • A aplicação permite exibir quadro de medalhas, notícias e agenda de jogos e eventos, entre outras informações, mas sem canal de retorno.
  • O usuário só visualiza aquilo que foi enviado pela emissora e ficou armazenado temporariamente no televisor.

——————…——…———-…————————

O Ginga já foi adotado por vários páises na América Latina e África, mas no Brasil, onde ele nasceu, emissoras e fabricantes ainda não estão avançando em um modelo de negócios. Neste cenário, outras tecnologias de interatividade pela Televisão avançam, veja os próximos tópicos.

TV a cabo ou via satélite interativa

  • Há algum tempo já é possível interagir com a TV. Quem assina TV a cabo já deve ter acessado guia de programação, trocado legendas e áudio de um programa ou adquirido filmes, espetáculos e partidas de esporte pelo sistema Pay-per-View. Tudo pelo controle remoto.
  • Este tipo de interatividade só é possível por que a TV está conectada à operadora de TV a Cabo. A teclas que você pressiona no controle viram comandos enviados para a operadora, que responde de volta enviando aquilo que você solicitou.
  • Replay e pause da programação também são vendidos como recursos interativos.

TV’s conectadas

  • As Tv’s conectadas estão revolucionando o mercado como um dia fizeram os celulares ao se tornarem Smartphones.
  • As smart TV’s são televisores com aplicativos interativos, como jogos, Facebook, Twitter e Youtube. Você pode acessar conteúdos da internet direto na tela da TV.
  • Os aplicativos se multiplicam: além de redes sociais, já estão disponíveis previsão do tempo, chamadas pelo Skype, compra de programas e filmes on demand (como o NetFlix e o Terra Video Store), etc…
  • Como exemplos, temos a Samsung com a função Smart Hub e a Panasonic com o Viera Conect.

Apple TV

  • É um dispositivo pequeno que o usuário acopla a um aparelho de TV.
  • Ele pode ser integrado ao iPhone (que funciona como um controle remoto da Apple TV) e iPad (para exibir na TV o que se vê na tela do iPad).
  • O Apple TV também reproduz os arquivos salvos no iCloud e possui aplicativos semelhantes aos das TV’s conectadas.

IPTV – TV pela internet

  • As TVs podem transmitir conteúdos relacionados à sua programação pela internet.
  • A TV cultura por exemplo possui o portal Cmais, onde os usuários assistem a programas ao vivo e podem interagir em salas de bate papo monitoradas pela emissora. Assuntos do bate-papo eventualmente entram no programa exibido no ar. Os usuário também pode compartilhar o programa no mural do Facebook ou pelo Twitter.

Como aproveitar a TV digital

O sinal da TV digital está avançando pelo Brasil. Em 2016, as transmissões do sinal analógico serão interrompidas. Saiba com este resumo o que você precisa para aproveitar melhor, hoje, a programação da TV digital.Link
Canais abertos já são digitais

  • Cultura, SBT, Globo, Record, RedeTV, Gazeta, Band, MTV e outros canais abertos já transmitem o sinal digital.
  • A ANATEL promete divulgar em seu site a partir deste mês um relatório sobre a cobertura do sinal digital em cada Estado.
  • Consulte as emissoras para saber se elas transmitem o sinal digital para sua cidade.

Os aparelhos de TV precisam de conversores para exibir programação da TV digital

  • A maioria das TVs plasma e LCD comercializadas já vem com o conversor embutido.
  • As tvs antigas e sem o conversor embutido devem ser acopladas a um set-top-box, um conversor externo, parecido com aqueles de TV a cabo.
  • Este conversor decodifica o sinal transmitido por ar. Operadoras de TV a cabo e via satélite também vendem pacotes com canais digitais HD e oferecem o conversor para decodificar o sinal.

TV digital aberta é gratuita e sintonizada com antenas UHF

  • Se sua cidade possui sinal de TV digital e você já possui uma TV com conversor, agora você só precisa de uma antena UHF para receber o sinal digital dos canais da TV aberta.
  • A TV busca os canais e os sintoniza automaticamente.
  • Operadoras de TV a cabo (NET) ou satélite (SKY) também vendem pacotes de TV digital que incluem outras opções além dos canais abertos, como HBO HD e Telecine HD.
  • Você também pode receber gratuitamente a programação dos canais abertos de TV digital em aparelhos móveis compatíveis como celulares, notebooks e mini-receptores para automóveis.

Sobre a alta definição e formato de tela

  • A alta definição (HD – High Definition) da TV digital (720p, resolução HDTV) é maior que nos DVD’s (480p), mas é menor que no Blue Ray (1080p, resolução Full HD).
  • Nem todos os programas transmitidos por uma TV Digital estão em alta definição HDTV. A maior parte da programação digital ainda é transmitida com a mesma resolução que a TV analógica.
  • Uma TV de tubo com um conversor sintoniza canais digitais, mas TVs de tubo não suportam alta definição e exibem a programação em no máximo 480p (resolução de DVD).
  • Você poderá estranhar o formato da tela em alguns programas transmitidos por um canal digital. Veja aqui quando e por que as faixas pretas são exibidas dos lados ou no topo e na base da sua TV.

Sobre a interatividade

  • Esta é a última fronteira a ser desbravada pela TV Digital. As emissoras e os telespectadores ainda não sabem como lidar com a “interatividade” possibilitada pela Tv Digital
  • A maior parte das aplicações interativas transmitidas com os programas funcionam como “extras” de DVD, ou seja, o usuário não interage de fato com a programação, ele apenas acessa informações adicionais (durante um jogo do Brasileirão, por exemplo, a Globo exibe a Tabela do Campeonato).
  • As interatividades mais complexas exigem um canal de retorno, por onde o usuário envia seus comandos para a emissora. Este canal geralmente é a conexão da TV ou conversor à internet. Mesmo assim, o máximo que conseguimos aqui foi permitir que o usuário responda a enquetes. Estamos engatinhando.

Interatividade com Ginga

  • As TVs a cabo e via satélite inauguraram a interatividade via controle remoto. Já há algum tempo é possível comprar programas pay-per-view e acessar guia de programação pela TV.
  • No Brasil, este tipo de interatividade em canais abertos e recebidos por uma antena UHF só é possível com conversores que trazem o Ginga, sistema responsável pela decodificação das aplicações interativas enviadas pelas emissoras de programação digital.
  • A seguir algumas fotos de aplicações interativas transmitidas por canais abertos:

(Testes realizados em uma Panasonic Viera TC-L37D20B com conversor embutido com Ginga e recepção via antena UHF)

Portal Interativo SBT, exibido durante “A Praça é Nossa”


———————————————-

Passo-a-passo da aplicação interativa da novela das seis “Cordel Encantado”

  • Ao sintonizar o canal, quando há aplicação interativa disponível, primeiro ela é carregada pelo conversor com Ginga:

  • Depois de carregar, um ícone “i” é exibido para indicar ao telespectador que a aplicação está disponível para “ser interagida”:

  • O telespectador então aperta o botão do controle remoto que corresponde a “carregar interação”. Este botão varia de acordo com o modelo da TV ou conversor.
  • A aplicação invade a tela sem interromper o programa, que continua rolando enquanto o usuário acessa informações como sinopses de capítulos anteriores e perfis dos personagens da trama.
  • Se a TV estiver conectada à internet, é possível responder a enquetes relacionadas à novela.

Plexo trabalha com Clã

Rap Ambiental – Clã Raça Forte – AlbumSP from Plexo Lab on Vimeo.

A Plexo está trabalhando nos vídeos do grupo de Rap de São Paulo “Clã Raça Forte”.

Um release multimídia em DVD
A mensagem da banda é simples, consistente e inteligível para o público das favelas e dos eventos marginais: desenvolvimento pessoal e social e diversão consciente.

Os videos seguem essa linha.

albumsp.com // as figuras paulistanas

Fragmentos audiovisuais de personagens paulistanos

Projeto AlbumSP


A equipe do projeto escolheu três moradores da cidade de São Paulo, registrou uma parte da vida delas, organizou álbuns com estes vídeos e os publicou em uma página na internet.

A ideia é renovar o conteúdo do site e realizar outras edições, sempre com três personagens reais, para tratar da vida na metrópole paulista através de diferentes pontos de vista. Um programa de TV on line.

Conheça a edição piloto com os seguintes personagens:

>>Betinho: Skatista de Higienópolis

>>Carol: Fotógrafa da Bela Vista

>>Clã Raça Forte: grupo de RAP do Jd S. Savério

Desenvolvi o projeto com colegas do curso de Rádio e TV da Universidade Anhembi Morumbi.
Todos os videos foram gravados em alta definição (HD 720×1080)  e hospedados no Vimeo.

Álbum SP > a voz da Praça da Sé

Quem conhece o cotidiano da Praça da Sé sabe que ali tem pessoas de todas as partes do mundo.

Álbum SP selecionou duas vozes brasileiras no mar de pessoas que  passa  pelo marco zero de São Paulo.

[vodpod id=Groupvideo.3423780&w=425&h=350&fv=clip_id%3D6584396%26server%3Dvimeo.com%26autoplay%3D0%26fullscreen%3D1%26md5%3D0%26show_portrait%3D0%26show_title%3D0%26show_byline%3D0%26context%3Duser%3A545135%26context_id%3D%26force_embed%3D0%26multimoog%3D%26color%3D00ADEF%26force_info%3Dundefined]

Masculinas, nordestinas e provenientes de vendedores de rua, três características bastante comuns nas vozes da Sé.

Album SP – Equipe perde material gravado na Penha.

A equipe do projeto Álbum SP convidou Camila Dayan, do blog D’propósito a um passeio por um bairro que ela nunca tinha visitado: a Penha, na zona leste.

Camila aceitou desafio de apresentar o bairro desconhecido como se fosse uma guia de turismo.

O video deste passeio bizarro pela Penha, que durou mais de três horas, foi comprometido e não poderá ser utilizado.

É o que suspeita Isaac Trabuco, que escreve este post.

A câmera utilizada pela equipe registra as imagens em arquivos digitais. Arquivos de video ficam em uma pasta, arquivos de áudio, em outra. Para a edição e até mesmo a execução correta do video, é necessário que se tenha as duas pastas em um mesmo diretório.

A suspeita de Isaac é a de que a equipe, da qual ele faz parte, tenha descarregado na ilha apenas a pasta Video. Ou seja, as imagens do passeio não teriam mais os sons da cidade nem a locução da Camila…